• Sala de Fotografia

Sala de Fotografia analisa: Feira Fotografar 2019

Atualizado: 22 de Out de 2019

Um mercado em constante transformação. Assim é o ramo da fotografia profissional. Novas tecnologias, novos comportamentos do consumidor, reinvenções e novas modas, inteligência artificial, novos números nas áreas de atuação – como o mercado de formaturas, por exemplo – influenciam diretamente no trabalho do fotógrafo. Tudo isso pode parecer óbvio, mas só se tem a real dimensão do quanto as mudanças ocorrem rapidamente quando se participa de feiras anuais como a Fotografar – a maior feira de fotografia da América Latina. A Sala de Fotografia tem participado anualmente do evento, que em 2019 chegou a sua 13ª edição e ocorreu dos dias 2 a 4 de abril no Shopping Frei Caneca, em São Paulo. E, por participar periodicamente, conseguimos mensurar melhor as novas transformações. A internet pode ser uma importante fonte de atualização, mas eventos como a Fotografar tornam tangível ao profissional o quanto é necessário estar atento ao mercado, sem contar que traz novidades que só se encontram ali.


Como o Guia da Feira Fotografar 2019, que trouxe dados oficiais disponibilizados no mercado e nas pesquisas com os agentes da indústria. É a única publicação deste tipo no País. É assim que ficamos sabendo, por exemplo, que ao contrário do que se imagina, a impressão fotográfica e gráfica cresce no mundo todo e nas mais variadas mídias. Para um fotógrafo que só observa o seu entorno, é compreensível que ele caia na falácia de acreditar que ninguém mais deseja imprimir suas fotos. Mas eventos como a Fotografar podem dar a energia que falta para quem fica preso a suas próprias ideias, em seu estúdio. Houve reduções significativas no mercado, é verdade, e vem caindo anualmente o consumo em praticamente todos os setores fotográficos. Mesmo assim, em 2018, foram consumidos 10 milhões de m2 de papel fotográfico. O que avança agora são os papéis gráficos, que representam 2,7 milhões de álbuns gráficos impressos no ano anterior – um crescimento de 5% a 7%, resultado do recuo gradual do papel fotográfico no Brasil.


Dois setores da fotografia que apresentam crescimento são os da indústria de drones e de fotocabines. A fotografia instantânea em eventos também vai bem, ainda de acordo com o Guia Fotografar 2019. É preciso estar atento a esse movimento da foto na hora, já que a Fuji revelou recentemente dados sobre a Instax, câmera que imprime na hora a foto. A empresa divulgou que está perto de bater a marca de 1 milhão de câmeras vendidas por mês no mundo. Para a Fhox, quem consome esse tipo de fotografia são os jovens da geração de smartphones que veem na foto no papel uma grande novidade.


Mas a importância de participar de eventos de fotografia vai além destes números tangíveis. Ela também avança na força do coletivo. Ver tanta gente interessada em crescer, com corredores sempre lotados, confere uma energia importante para fotógrafo nenhum achar que é uma ilha e está isolado. Foram milhares de pessoas que passaram por lá e centenas no Congresso Fotografar, interessadas em novidades, lutando para que a fotografia profissional se torne cada vez mais relevante na nossa sociedade. Além, é claro, de realizarem um networking fundamental, possibilidades de formar parcerias pra crescer juntos e descobrir novidades que podem impulsionar novas ideias, como novos materiais e novas formas de impressão. Muitos estandes estavam ocupados por encadernadoras, preocupadas em entregar boas soluções econômicas e também mais sofisticadas a fotógrafos.



Vimos também os participantes interessados em procurar o diferencial, em se destacar no mercado. A Sala de Fotografia, neste ano, expôs na Feira Fotografar as roupas da grife da nossa diretora Liliane Giordano Arte em Roupa, com vestidos, blusas, moletons, tênis estampados com as suas fotos. No nosso estande, a grande procura foi por querer também estampar suas fotos em roupas, mostrando que fotógrafos têm interesse em sair do tradicional.


Os estandes e os prêmios

Os maiores estandes eram de encadernadoras e empresas de impressão, e os das câmeras das marcas Canon e Fuji. Neste ano, os congressistas tinham um horário de visitação exclusivo à feira, uma hora antes da abertura ao público geral, o que facilitava para que eles não perdessem nenhuma palestra e ainda assim pudessem conferir com calma as novidades.


Outra novidade de 2019 foi que o Congresso mudou de andar no Shopping, e passou a ficar junto à feira. Isto também foi uma boa ideia, pois ficou mais integrado ao evento, e o público não precisava se deslocar tanto. O Congresso de Formatura também ficou no mesmo espaço, ao lado da Feira, deixando tudo muito próximo – este que é um importante espaço da Fotografar, já que houve uma elevação de 10% no número de empresas de formatura no último ano de acordo com o Guia Fotografar 2019. Ou seja, é um mercado para o qual os fotógrafos precisam estar atentos a novas oportunidades, já que o mercado de educação cresce mesmo na crise e o número de formandos aumenta anualmente.


Apesar de o shopping contar com uma grande praça de alimentação, a organização da Feira se preocupou em colocar dois estandes de comida e bebidas dentro do evento, o que foi excelente, sobretudo para os expositores que não tinham tempo de se deslocar.


Os menores estandes eram os que comercializavam itens para fotografia newborn. Eram diversas empresas que vendiam estes acessórios, mas a nós pareceu que este mercado pode começar a mudar, com fotos mais limpas, privilegiando cada vez mais o bebê e não o seu entorno. A Fotografar promoveu em 2019 o terceiro Prêmio Newborn Brasil, cujas 50 fotografias finalistas ficam em exposição no Shopping durante a Feira. O que notamos é que algumas das imagens ganhadoras deste ano já exibem essa característica de uma foto com menos elementos. Ainda, uma das palestrantes do Congresso Fotografar foi a fotógrafa francesa Deborah Cacciola, que aposta numa fotografia mais clean, com cores e adereços simples, e cujo foco é sempre o bebê.


Acompanhamos o Prêmio Newborn desde o início. Percebemos que neste ano as fotografias ganhadoras, não só do prêmio newborn, mas também do prêmio de melhor álbum de fotografia de casamento do país, realmente aumentaram o nível da competição. O que revela que um dos propósito das premiações vêm sendo cumprido, já que um de seus objetivos é a de revelar novos talentos e estimular a evolução da fotografia.

Conclusões

Não é à toa o sucesso da Feira fotografar. A Fhox é uma empresa preocupada em elevar o nível do mercado como um todo, e não apenas em visar lucro. Ela se preocupa em acolher as necessidades dos fotógrafos, e aumentar seu nível, promovendo o guia que traz números reais do mercado, bem como podcasts e textos constantes que trazem esse panorama do mercado. Ainda, seus diretores estão abertos a ouvir sobre novos projetos sempre e viajam pelo Brasil em busca de histórias de sucesso de fotógrafos. É o melhor de um jornalismo especializado, que procura englobar as diferentes áreas da fotografia, tanto na revista impressa, quanto em seu site e blogs.


A Fhox se preocupa ainda na manutenção desse mercado, ajudando a criar uma associação que dá voz e fortalece esse ramo. Exemplo disso é o Fórum de Formatura. Ainda, promoveu o lançamento do Movimento Imprimir para conscientizar os fotógrafos a incentivar seus clientes a ter fotos em papel, pois é só assim que o mercado ganha um futuro e a sociedade ganha memórias preservadas.

Texto: Sabrina Didoné (jornalista - 0018277/RS) e Liliane Giordano (mestre em Educação: arte, linguagem e tecnologia)

Fotos: Liliane Giordano


#SaladeFotografiaAnalisa #análisedefotografia #FeiraFotografar


34 visualizações
  • Facebook Clean

2016 @Sala de Fotografia - Caxias do Sul