Sala de Fotografia analisa: Valongo 2017


Partir do real para criar histórias próprias, na fronteira entre a ficção e o documental, onde tudo se mistura. Essa foi uma das essências dos trabalhos mostrados pelos convidados das mesas do Valongo Festival Internacional da Imagem, fossem eles profissionais do vídeo ou da fotografia. É propício jogar luz sobre esse tema, já que denota toda a força que as imagens têm de contar histórias, de criar narrativas visuais. Isso demonstra a importância que ganha essa discussão agora, que também foi o tema do festival Paraty em Foco deste ano. A Sala de Fotografia esteve em Santos com uma expedição fotográfica de sete pessoas para acompanhar de perto a segunda edição do Valongo, que ocorreu de 4 a 8 de outubro de 2017.

Vamos então, às discussões nas mesas e palestras que a Sala de Fotografia acompanhou em Santos.

Real e Imaginário

Um dos exemplos mais emblemáticos das falas no festival dessa mistura de ficção e documento foi do artista Jonathas de Andrade, na mesa “Terra Território”, conduzida por Ana Maria Maia na noite da quinta-feira. Em um trabalho apresentado em 2016 na 32ª Bienal de São Paulo, Jonathas filma pescadores tradicionais, mas ficciona a interação deles com o peixe: eles o abraçam e o acalmam até a morte, em um ritual inventado pelo artista. Assista aqui um trecho do filme, em entrevista a Revista Bravo. Ele explica que é um abraço que é afago e também dominação.

“Procuro ter sempre essa ambiguidade da imagem, para o público poder ter espaço de interação nos meus trabalhos. Tem gente que acha lindo, tem gente que se revolta”. Jonathas de Andrade

Outro trabalho que mescla realidade e ficção de Jonathas é um filme sobre revolta de carroceiros. Mas, na verdade, ele partiu de uma lei que iria proibir os carroceiros na ruas de Recife, com a alegação dos maus tratos aos animais. Assim, ele teve a ideia de organizar uma corrida de carroças no centro da cidade, divulgando por meio de cartazes e conseguindo assim o comparecimento dos carroceiros.

O Valongo trouxe ainda uma mesa para falar desse assunto entre a verdade e a imaginação, no sábado à noite: “Registro do real, narrativa ficcional”, com António Júlio Duarte e Patrícia Almeida, com mediação de Horacio Fernández. O português António explicou quando foi a Macau como fotojornalista, e esse período coincidiu com a eleição para governador da região administrativa. Era uma campanha com candidato único, sem oposição, em um exercício inútil de democracia, pois não era eleição direta, segundo o fotógrafo. Ele fazia rapidamente as fotos para o jornal, e depois usava o resto do tempo para fazer fotos mais interessantes. E assim ele cria com suas fotos uma suposta tensão, cria uma certa ficção, quem vê essas fotos poderia achar que se trata de uma eleição normal, em qualquer parte do mundo, ao ver de uma forma muito rápida - como geralmente consumimos a mídia. Ainda, António inseriu personagens nessa sua narrativa.

Patrícia Almeida, também portuguesa, contou sobre seu livro “Minha vida vai mudar”, que também deu origem a um clipe depois. É um exercício de colagem, onde reúne muitos recortes de jornais. E cria a sua narrativa a partir dessas imagens do mundo real. Essas montagens vieram das sensações, da crise da Europa que se ouve o tempo todo por lá, um discurso do medo. A inspiração dela era que estava doente na época, e quis fazer para seu filho uma espécie de cápsula do tempo pra ver como era o mundo nessa época. São imagens de muitas naturezas diferentes, há recortes, colagens, desenhos, há até imagens do processo de fazer o livro dentro do livro - e assim cria uma espécie de álbum. E nessa relação que as imagens tem umas com as outras cria um filme do livro. Nele, as imagens vão passando e dá uma sensação de tempo. A música do filme também remete ao mundo: é seu filho tentando cantar uma música em inglês. Ele inventa palavras como alguém que inventa uma língua. E no meio disso há sons, ruídos de notícias - esses sons deixaram o vídeo com um caráter ainda mais sério, como quando se vê momentos históricos preservados em museu.

Nós da Sala de Fotografia vimos o filme de Patrícia antes de ver a sua explicação na mesa, pois ele estava em exibição no Valongo. E, depois de ver a sua explicação, ficamos refletindo sobre a interação do espectador com a obra. Pois, ao assistir o vídeo, acreditamos que havia um sentido mais profundo e atrelado à crise na Europa, sobre esse processo de crise e mudança no continente. Até que por ser uma criança cantando “Get Lucky”, de Daft Punk (lucky é ‘sorte’ em inglês) imaginamos que talvez tinha algo a ver com precisar de sorte pra atravessar esses tempos difíceis na Europa com a crise econômica. Mas a explicação dela foi diferente, eram colagens como uma cápsula do tempo para seu filho, sobre esses tempos, e não necessariamente uma crítica à crise. É ai que entra o espaço de interpretação do espectador, da sua imaginação e seus backgrounds que fazem tentar achar significado naquilo. É como disse o artista Jonathas de Andrade, que sempre deixa espaço pra interpretação do seu trabalho. Visitamos também a instalação com o vídeo do peixe no Sesc em Santos, uma das meninas achou um horror ao pensar no momento da morte, já outra achou muito lindo aquele momento de carinho para com a morte. A interpretação de cada espectador conta muito.

RGB

Uma das ideias lançadas no festival deste ano – que inclusive ilustrava o palco das discussões principais em um banner – era o projeto RGB: Registro Geral Brasileiro. O site do festival, em um texto assinado por Iatã Cannabrava e Thamyres Matarozzi, explica assim:

“Nossa intenção é incentivar a sociedade brasileira a desenvolver uma cultura sólida e sistemática de documentação, bem como promover o resgate e acervo dos materiais já produzidos. Sendo assim, utilizamos o festival como plataforma para lançarmos um movimento que busca ampliar as bases de construção dessa memória, chamado RGB – Registro Geral Brasileiro. Precisamos imediatamente registrar o presente para reinventar o amanhã.”

Durante reunião da Rede de Produtores Culturais da Fotografia no Brasil, que ocorreu no sábado à tarde do festival, Iatã, que é um dos coordenadores e idealizadores do Valongo (e durante uma década idealizou o festival Paraty em Foco), explicou mais sobre o projeto.

“O RGB é para convocar cada cidadão com uma câmera, para que registre o que acontece no Brasil agora, para que daqui a 10 ou 20 ou 30 anos se entenda o que acontecia, pra ser óbvio daqui a anos o que acontece agora. É essa função dos fotógrafos, registrar o que acontece. Olhe, escute, registre, registrar histórias pra ter como parâmetro. Criar nossa potência de imagem. Convocamos fotógrafos pra ter documentos que no futuro ajudem a elucidar o que está acontecendo no Brasil agora.”

Iatã Cannabrava

Reconhecemos que o RGB assume lugar de destaque como um projeto importante. É fundamental multiplicar a nossa visão do Brasil, pois muitos trabalhos estão atrelados a periferia. É verdade que aquele é um outro universo, e pode-se dar e potencializar a sua voz, já que ela não é ouvida, nem seu estilo de vida é mostrado. Mas é importante mostrar um outro país, outras realidades, que também convivem nesse mesmo território, como o próprio dia a dia da classe média. É fundamental documentar todos os contextos, não só para gerar identificação, mas para a construção de uma identidade brasileira mais sólida.

A Rede de Produtores Culturais da Fotografia no Brasil reúne profissionais que atuam na cadeia produtiva da cultura na área da fotografia no país. Ela pretende estabelecer um canal de comunicação entre os diversos setores da fotografia brasileira, colocando-se como representante das iniciativas culturais no âmbito fotográfico. Ainda durante a reunião da Rede, seu presidente, João Kulcsár, destacou que essa união dos produtores culturais em fotografia está sendo retomada. Uma das principais discussões foi a proposição de ideias para o site, que deve ser lançado em breve. Carmen Negrão, diretora adm-financeiro, ressaltou que a Rede já possui representantes em todas as regiões do Brasil.

Curadoria

Nesses tempos difíceis para a cultura, o papel do curador, que aponta caminhos e que se reinventa a cada projeto é cada vez mais importante. A mesa da quinta à noite no Valongo trouxe justamente essa discussão. “Caminhos Curatoriais” contou com as presenças de Diane Lima, Denise Gadelha, Galciani Neves, e, como mediador, Ronaldo Entler.

“O curador tem uma responsabilidade muito grande, tem o poder de dar visibilidade à produção artística, e de transformar a sensibilidade.” Ronaldo Entler

Diane Lima defendeu que é preciso refletir sobre o lugar da curadoria, pois ela lança vozes diferentes para montar um discurso, e que propõe novas lentes.

“O curador é aquela pessoa que pode ressignificar estereótipos raciais. É curando que eu me curo. Curadoria pode vir de resistência, ser instrumento de projeto político que é iminente à discussão.”

Diane Lima

O mediador Ronaldo inseriu na discussão de que curar não significa conforto pleno. “Se conserta, também se desconcerta um pouco”, disse, referindo a que a arte não serve apenas para ser bonita e agradar.

Denise Gadelha acredita que há certas melhoras na censura, apesar de tudo, com o passar dos séculos.

“Há melhoras. Ainda vemos absurdos como ainda estarmos lidando com escravidão nesse século, mas temos avanços. Uma vez não podia falar do rei sem perder a cabeça. Como artista eu não escolho o que eu faço, eu só tenho que fazer, eu não consigo não fazer. Não estamos indo num caminho pela liberdade, e arte deve fundamentalmente se basear pela liberdade.” Denise Gadelha

Já para Galciani Neves, há que se ter um meio termo.

“Há que se escolher um lado, não sei que lado é esse ainda. Não vejo como nem tanto céu ou inferno. Não vejo como não me colocar. Na crise da palavra, há coisas ditas e não tem vo